Árbitro uruguaio sonha com voo alto da Celeste na Copa do Mundo de Futebol

29/06/2018 22:13

Nacho, figura mais do que especial durante as competições nacionais, é conhecido pela descontração e pela simpatia, sem abrir mão da disciplina

FOTO: Uruguaio vai ficar bem longe da TV na hora do jogo da Celeste. Crédito: Christian Martinez/RGB Studios.

 

Toledo (PR), 29 de junho de 2018.

Claudia Mendes

O alto-astral de Fernando Moleda, 53 anos, árbitro geral de tênis de mesa, poderia ser explicado pela ótima participação do Uruguai, sua pátria-mãe, na Copa do Mundo de Futebol. A Celeste Olímpica venceu seus três jogos até aqui e vai encarar Portugal neste sábado (30/6), pelas oitavas de final. No entanto, o perfil divertido e simpático já é uma marca de Nacho, que está há oito anos no Brasil e é uma referência na função em toda a América Latina.

Nascido em Montevidéu, ele veio para o país como técnico em Chapecó (SC), mas mudou para a posição atual em pouco tempo e ganhou o respeito de jogadores, pais e torcedores. Canta e dança o tempo inteiro, todavia sem abrir mão da disciplina: é rigoroso com horários, uniformes e postura dos atletas. Sempre por perto, num cantinho do ginásio, deixa erva mate, a garrafa térmica e o porongo (uma espécie de caneca térmica).

O confronto do Uruguai na Rússia, no entanto, acontecerá durante a hora dos jogos da Copa Brasil. Nacho, porém, deixa claro que não há sofrimento na escolha.

"Em primeiro lugar está sempre o meu profissionalismo", garantiu o árbitro, enquanto a partida será atentamente assistida pelos filhos Damian (28), Jessica (27) e Bruno (22). Os rapazes, inclusive, são mesa-tenistas da seleção uruguaia. 

Durante o jogo, porém, ele não quer que o correr da bola no gramado tire seu foco da bolinha na mesa.

"Só vou querer saber do resultado no final da partida".

Apesar do respeito e carinho pela pátria que o acolheu, Nacho não esconde sua esperança de que o Uruguai bata o time do craque Cristiano Ronaldo e siga sonhando no Mundial. 

"Suarez, Cavani e Godin são muito bons. E o Óscar Tabárez é um excelente comandante".

O papo com Nacho flui com facilidade. Politizado, ele fala sobre qualquer assunto e comparações entre o Brasil e o Uruguai são inevitáveis.

"Um país com 3 milhões e meio de habitantes é mais fácil de gerir. Só que dois milhões de uruguaios estão acima da faixa dos 60 anos. Lá, porém, não há problemas com educação, saúde e transporte", avisa.

 

A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa conta com recursos da Lei Agnelo/Piva (Comitê Olímpico do Brasil e Comitê Paralímpico Brasileiro) - Lei de Incentivo Fiscal e Governo Federal - Ministério do Esporte.
 

FATO&AÇÃO COMUNICAÇÃO

Assessoria de Comunicação da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa - CBTM

Claudia Mendes – claudia@fatoeacao.com

Marcio Menezes – marcio@fatoeacao.com

Nelson Ayres – nelson@fatoeacao.com

imprensa@cbtm.org.br

fatoeacaocomunicacao@gmail.com

                                                         

Siga a CBTM nas redes sociais:
 
FACEBOOK:
 www.facebook.com/cbtenisdemesa

TWITTER: www.twitter.com/cbtm_tm

INSTAGRAM: @cbtenisdemesa