História da CBTM

 

A Confederação
Ontem

No Brasil, os iniciantes da prática do esporte eram turistas ingleses que, mais ou menos em 1905, começaram a implantá-lo no país.
 
Pode-se fixar o ano de 1912 como início das atividades organizadas do Tênis de Mesa no país, pois até então ele era praticado somente em casas particulares e em clubes. Naquele ano foi disputado o primeiro campeonato por equipes na cidade de São Paulo, sagrando-se vencedor o Vitória Ideal Clube.
 
Até 1942, o esporte seguiu com altos e baixos no país, quando atletas cariocas, representados por De Vicenzi, A. Neves e G. Ferreira, e paulistas, representados por Bolonga, F. Nunes e W. Silva, aprovaram a tradução das regras e assinaram convênios que levaram à oficialização do Tênis de Mesa pela CBD (Confederação Brasileira de Desporto).
 
Em 1947, graças ao esforço de De Vicenzi, o Brasil participou do 3º Campeonato Sul-Americano e, a partir de então, a participação do Tênis de Mesa Brasileiro nos Mundiais vem intensificando o intercâmbio internacional, tão indispensável para o nosso progresso.
Dentre os atletas de destaque no cenário Internacional tivemos Ivan Severo, que no Mundial de 1959 levou o Brasil ao 5° lugar por equipes sem perder uma partida. Na mesma equipe surgia outro fenômeno: Biriba, que seria o maior atleta brasileiro nas décadas seguites.
Outro atleta que teve performances espetaculares foi Claúdio Kano. O antigo recordista de medalhas em jogos Pan-Americanos com 12 (7 de ouro), sendo ultrapassado pelo também mesatenista Hugo Hoyama e o nadador Gustavo Borges em 2003, faleceu em um trágico acidente de motocicleta em 1996. Até hoje o esporte se ressente de sua categoria e carisma.


Hoje

Atualmente, através da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa, este esporte está organizado em todos os estados do Brasil, que congregam mais de 20.000 atletas.
 
O Tênis de Mesa brasileiro é detentor de uma longa hegemonia na América do Sul e na América Latina, sendo o único esporte que possui o incrível registro de quatro vitórias consecutivas - tetra-campeão - em competições por equipe nos Jogos Pan-Americanos.
 
O atleta de maior destaque do Brasil no momento é Thiago Monteiro. O cearense assumiu o posto de melhor atleta do país no Ranking da ITTF ao entrar para o seleto grupo dos Top-100. Em 2003, nos Jogos Pan-Americanos, conquistou a medalha de ouro nas duplas ao lado de Hugo Hoyama. No ano seguinte, foi o único brasileiro a passar da primeira rodada nos Jogos Olímpicos de Atenas e derrotou o campeão Olímpico Ryu Seung Min (Coréia do Sul) na Copa do Mundo.
Outro atleta de destaque internacional é o experiente Hugo Hoyama, recordista brasileiro de medalhas em Pan-Americanos com 13 pódios, sendo 8 de ouro. Hugo teve uma atuação fantástica nos Jogos Olímpicos de Atlanta, quando eliminou o campeão mundial Jorgen Persson (Suécia) e ficou entre os 16 melhores.
 
A atual e dinâmica administração da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa iniciou seus trabalhos em 20 de janeiro de 1986, então sob a presidência de Dr. Alaor Gaspar Pinto Azevedo. Posteriormente assumiu Dr. Ivam Passos Vinhas, que manteve todas as linhas administrativas enquanto esteve na Presidência por 4 anos. Em 1996, Dr. Alaor voltou a dirigir a entidade, tendo sido reeleito por aclamação em 2001 e 2005.
 
A CBTM já organizou mais de 400 eventos nacionais e internacionais, com destaque para o Aberto do Brasil (Brazilian Open Championships), em sua décima sétima edição, além de mais de 300 cursos nas áreas de arbitragem, administração e técnicas de jogo.

Contando com a verba proveniente da Lei Piva, fornecida pelo Ministério do Esporte do Governo Federal, a Confederação Brasileira de Tênis de Mesa tem tido a oportunidade de realizar concentrações mensais e estágios internacionais das Seleções Brasileiras das diversas categorias, oferecendo aos nossos atletas uma preparação e um treinamento de alto nível.

Amanhã

 
Temos a preocupação de unir o esporte ao turismo, oferecendo aos atletas e seus familiares a oportunidade de conhecer as belas cidades do nosso país, cuidando, para tanto, de conseguir facilidades para todos em termos de hotéis, alimentação e passagens, não esquecendo de massificar a divulgação dos eventos junto à mídia.
 
Outro importante objetivo será a instalação de mesas de concreto em praças públicas que propiciarão a organização de maratonas populares, divulgando e massificando o Tênis de Mesa por todo o Brasil.
 
Também está em nossos planos a introdução do nosso esporte nas escolas de primeiro e segundo graus, assim como a expansão do nosso esporte nos currículos das Escolas de Educação Física das grandes universidades, situação que já ocorre na UNIMEP, em Piracicaba, São Paulo, e na UFMG, Universidade Federal de Minas Gerais.
 
A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa possui também filmoteca e biblioteca especializada e encontra-se em plena campanha para atingir a casa dos cinqüenta mil filiados, ao mesmo tempo em que se esforça para colocar o Tênis de Mesa nas empresas.
Tênis de Mesa – Ivan Vinhas
Origem - Nascido e desenvolvido na Inglaterra durante a segunda metade do século 19, teve sua origem a partir do jogo medieval de tênis, que costumava ser jogado tanto ao ar livre quanto em espaços fechados. O tênis de campo, praticado com uma bola mais macia - - borracha coberta de felpo – em terrenos gramados; o tênis de mesa, passatempo social do mesmo modo, jogado em salas comuns; e o badminton, no qual usa-se uma peteca no lugar de bola. Os três são esportes atléticos que exigem rapidez e destreza.
As primeiras lembranças registradas de Tênis de Mesa revelam um jogo rude iniciado por estudantes universitários com livros dispostos no lugar da rede, e por militares que o praticavam com equipamentos improvisados no país e no exterior. A primeira menção de um catálogo de produtos esportivos é de F.H. Ayres, 1884, Inglaterra.
As raquetes podiam ser de madeira, papelão ou tripa de animal, cobertas algumas vezes por cortiça, lixa, ou tecido; bolas de cortiça ou borracha, redes de diferentes alturas – algumas vezes constituídas de um simples fio. Mesas de diferentes tamanhos, partidas com contagens de 10 ou 100 pontos, saques com um “quique” inicial na metade da mesa do sacador, sistema atual, ou diretamente na outra metade de encontro a um espaço limitado ou não, porém com a obrigatoriedade de o sacador estar afastado da linha de fundo da mesa. Nunca figuravam quatro tipos diferentes de duplas. Em qualquer caso, o que era virtualmente o mesmo tipo de jogo, tinha muitos nomes.
Século 19 - James Gibb, o inglês ex-corredor de maratonas volta de uma viagem de negócios no Estados Unidos com bolas de celulóide de brinquedo, que ele imaginou poderem ser úteis para este jogo em seu país. Ouvindo-as serem golpeadas por uma raquete oca, de cabo longo e feita de pele de carneiro, então bastante popular, associou os sons produzidos pela bola na raquete com o som ”pingue-pongue”, dando assim origem ao nome do jogo.
Ele então submeteu este nome a seu amigo e vizinho John Jaques, fabricante de produtos de esporte Groydon. Este registrou-o através do mundo – os direitos para os Estados Unidos foram mais tarde vendidos de Jaques para Parker Bros – e deste modo o jogo passou a ser uma mania elegante na virada do século. Tão rápido quanto cresceu ele extinguiu-se, e permaneceu quiescente na Grã-Bretanha por 18 anos.O colapso talvez possa ser atribuído a várias causas: o grande número de sistemas de jogos rivais e supostos organizadores – 14 livros de instruções foram registrados no catálogo da biblioteca do Museu Britânico, neste período, e uma certa monotonia do jogo quando praticado com equipamento inadequado.
1902 Invenção da borracha com pinos para a superfície da raquete possibilitando tão grande efeito e velocidade que criou imediatamente um enorme abismo entre os experts e os principiantes.
1905 a 1910 Nesta época, um progresso maior ocorreu na Europa Central. O jogo foi introduzido em Viena e Budapeste pelo representante de máquinas de escrever e futebolista amador, Edward Shires. Mesmo anteriormente, provavelmente em 1889, implementos para jogar o Tênis de Mesa chegaram ao Japão, vindos da Grã-Bretanha, o que resultou numa peculiar distribuição que durou na China, Coréia, e Hong-Kong até finais de 1920. Estes transplantes vieram a produzir sementes importantes em etapas posteriores da história.
1905 No Brasil o Tênis de Mesa teve o início de sua implantação em São Paulo, o que ocorreu através de turistas ingleses. O nome teria de ser Ping-Pong, já que era época da “epidemia” deste nome em Londres; as dimensões da mesa, seus praticantes possuíam de memória, e a contagem era a mesma adotada na época na Inglaterra, bem como o saque, diretamente por cima da rede.
1912 Neste ano tiveram início no Brasil as atividades organizadas do Tênis de Mesa, que até então era praticado em casas particulares e clubes. Assim, disputou-se o primeiro campeonato por equipes em São Paulo, saindo vencedor o Vitória Ideal Clube.
1913-1915 Em 1913, o Campeonato por equipes de São Paulo foi vencido pelo Mackenzie, 1914-1915 venceu a ACM.
1916-1922 O Campeonato por equipes de São Paulo foi vencido nestes anos pelo Atlético Ipiranga.
1922 O Tênis de Mesa ressurge na Inglaterra e no País de Gales. Após a 1a. Guerra Mundial, J.J. Payne de Luton, organizador deste jogo em épocas passadas, e Percival Bronfield de Beckenham, campeão nacional da Inglaterra em 1904, seguidos por Carris de Manchester e outros, formaram uma Associação de Pingue-Pongue.
No entanto, encontrando-se legalmente impedidos por uma carta registrada, dissolveram-se e reorganizaram-se no mesmo dia sob o antigo nome do jogo: Tênis de Mesa; nesta ocasião, redigiram cuidadosamente as regras, com o intuito de receber aceitação nacional por todos os adeptos, e estimularam a criação e a venda de equipamentos de alto padrão. O sistema de duplas escolhido foi o que era praticado em outras épocas em Manchester.
No Brasil, acontece São Pauloo primeiro campeonato individual e o seu vencedor foi Júlio Alvizu, tendo sido disputado de acordo com as regras codificadas e publicadas por Leopoldo Santana.
 
 
 
1924 No Rio de Janeiro nesta época, este jogo já era disputado no Clube de Regatas do Vasco da Gama cuja equipe era constituída por Adão, Luzitano, Carnaval, e Lopes.
1926 Nesta época, na Inglaterra, as regras tiveram penetração e foram de boa vontade aceitas no exterior. O código então tornou-se base das regras internacionais, e o nome Tênis de Mesa oficial. Funda-se então a ITTF – Internacional Table Tennis Federation. As modificações do jogo adotadas desde então foram as seguintes:
A altura da rede baixou de 6/3 para 6 polegadas;
A proibição do uso da mão livre para criar efeito no saque;
A padronização parcial da raquete;
Uma regra com limite de tempo – adaptada à regra da USTTA – limitando a duração dos sets – 21 pontos – em 15 minutos.
Com base nestas regras, no diminuto espaço e tempo requeridos, em comparação com muitos outros esportes atléticos, o Tênis de Mesa tornou-se um esporte de massa, com mais de cem associações filiadas à ITTF. ,  
 
Ainda neste ano, surge a Liga Paulistana de Ping-Pong, sendo seu primeiro presidente Lido Piccinini e seu primeiro campeonato oficial vencido pelo Castelões Futebol Clube. Neste mesmo ano, no Rio de Janeiro, a filiação do Ubá Ping-Pong Clube foi negada por não possuir o mesmo, recinto fechado para a prática do desporto. Pelo registro deste fato, acredita-se que o Rio de Janeiro já tivesse sua Liga Carioca de Ping-Pong.
1929 O jogador alemão Máximo Cristal chegou em São Paulo empunhando uma raquete com pino, vencendo os Ases de São Paulo, o Ourives e o Afins Sociedade Recreativa – campeão do ano, retirou-se da Liga, fundando a Associação Paulista de Ping-Pong cujo primeiro presidente foi Miguel Munhoz.
1932 No Rio de Janeiro,um grande idealista e competente desportista, Joaquim Alves, à frente do Clube Ginástico Português, impulsionava o desporto, realizando jogos amistosos e disputas bem organizadas de torneios como a “Taça Ginásio Patricarcha”.
1934 Ainda no Rio de Janeiro, organizada também por Joaquim Alves acontece a “Copa Lorenzo Nicolai”.
1937 Neste ano o paulista Rafael Bologria leu na revista Life uma reportagem do norte-americano Lou Pagliaro e constatou a diferença entre o Tênis de Mesa nacional e o praticado no exterior.
1938 Rafael Bologria, determinado em minimizar os efeitos das diferenças entre o Tênis de Mesa nacional e o do exterior, com a colaboração do jogador francês Kurt Ortweilior radicado em São Paulo, não obteve boa acolhida na Associação de Ping-Pong. Sem esmorecer, conseguiu que uma colônia húngara sob o patrocínio de Leon Orban, promovesse a vinda ao Brasil dos campeões mundiais Miklos Szabados e Istvan Kelen. Apesar das diferenças das regras e das dimensões da mesa, Ricardo D’Angelo derrotou Szabados diante de cerca de duas mil pessoas, obtendo assim a primeira vitória internacional do Brasil.
Foi então que os desportistas brasileiros tomaram conhecimento das novas regras, porém no Rio, o carioca Guilherme Ferreira não quis enfrentar o húngaro em vista da diferença de regras e, juntamente com Lourival de Carvalho e Djalma de Vicenzi, encerraram a campanha de adoção das regras internacionais.
 
 
1940 Em 7 de novembro deste ano, o Clube Atlético Fazenda Estadual-SP inaugurava a primeira mesa de Tênis do Brasil.
 
 
 
1941 Em julho deste ano, a Associação de Ping-Pong transformava-se em Federação Paulista de Tênis de Mesa. Ainda em outubro deste ano, o C.A.F.E. foi ao Rio de Janeiro e disputou com o Tijuca, o Fluminense e o Braz de Pina jogos pela nova regra, levando De Vicenzi a fundar em 1o. de novembro deste ano a Federação Metropolitana de Tênis de Mesa, apoiada pelos grandes clubes do Rio.
1942 Em janeiro deste ano os cariocas, representados por De Vicenzi, A. Neves, e G. Ferreira e os paulistas por Bolonga, F. Nunes e W. Silva, aprovaram a tradução das regras e assinaram convênios que levaram à oficialização do Tênis de Mesa pela CBD.
1945 Nasce em 26 de julho deste ano, Ubiraci Rodrigues da Costa, conhecido como Biriba que se tornou um dos maiores atletas do Tênis de Mesa Brasileiro. Na sua época ele, Maria Esther Bueno e Pelé foram considerados os maiores fenômenos do Esporte Brasileiro.
 
1947 Graças ao esforço de De Vicenzi, o Brasil participou do 3o. Campeonato Sul-Americano e o intercâmbio internacional, tão indispensável para o nosso progresso, se intensificou com a idéia de Mario Jofre de participar dos Mundiais, que Dagoberto Midosi pôs em execução, e que estes dois desportistas realizaram .
1959 Neste ano, Biriba passa a ser o mais novo atleta masculino a fazer parte de uma seleção Brasileira, que disputou o Campeonato Mundial em Dortmund – Alemanha, tinha apenas 14 anos.
1961 No campeonato mundial realizado em Pequim na China, Ubiraci Rodrigues da Costa desclassificou na terceira rodada o atual Campeão Mundial Rong Guotuan pelo placar de
Biriba 19 x Rong 21
Biriba 21 x Rong 18
Biriba 15 x Rong 21
Biriba 21 x Rong 16
Biriba 21 x Rong 15
1977O COI reconheceu o Tênis de Mesa como esporte olímpico.
1981 Em setembro deste ano, o COI reconhece a ITTF como órgão diretivo oficial do Tênis de Mesa, em Baden-Baden, ocasião de sua 84a. sessão. O COI decide que o Tênis de Mesa deve ser incluído no Programa Olímpico de Verão e participar dos 24o. Jogos Olímpicos de Seul, em 1988.
1983 A partir deste ano, o Tênis de Mesa passou a fazer parte dos Jogos Pan Americanos, realizado em Caracas – Venezuela. O Brasil fatura o título de dupla masculina com Cláudio Kano e Ricardo Inokushi, que também conquistou a prata no individual. Além da medalha de bronze nas duplas mistas com Kano e Sandra Noda. Ganha pela primeira vez o título de equipes masculinas.
1984 Acontece o 1o. Mundialito no ginásio do Maracanãzinho, na cidade do Rio de Janeiro. O Mundialito, é uma competição promovida pela Confederação Brasileira de Tênis de Mesa, e é o único torneio aberto da América Latina reconhecido pela Federação Internacional de Tênis de Mesa.
1987 O Brasil volta a brilhar nos Jogos Pan-Americanos, desta vez em Indianápolis, nos EUA. Mais uma vez a equipe masculina ficou com o ouro. Cláudio Kano e Carlos Kawai ficam com o bronze no individual e a dupla
Kano e Hugo Hoyama com a prata.
1990 Neste ano, o Tênis de Mesa do Brasil fez sua primeira participação nos Jogos Sul-Americanos, em sua 4a. edição, na cidade de Lima – Peru. Logo na estréia do esporte na competição o Brasil ganhou a maioria das medalhas. Trouxeram o Ouro para o Brasil, a equipe masculina – Cláudio Kano, Hugo Hoyama, Silnei Yuta e Washington Spolidori; individual masculino – Cláudio Kano; dupla masculina – Cláudio Kano e Hugo Hoyama; dupla feminina – Carla Tibério e Mônica Doti; dupla mista – Cláudio Kano e Mônica Doti. Trouxeram a prata a equipe feminina – Edna Fuji, Carla Tibério, Mônica Doti, Marta Massuda, e no individual masculino Hugo Hoyama. E trouxe o bronze o individual masculino – Silney Yuta.
1991 Na terceira participação do tênis de mesa nos Jogos Pan-Americanos de Havana, Cuba, mais conquistas para o Brasil. Foram três medalhas de ouro: Equipe masculina (tri-campeã invicta), dupla masculina (Hugo Hoyama e Cláudio Kano) e individual masculino, com Cláudio Kano. Ainda vieram o bronze na equipe feminina, bronze na dupla masculina formada por Carlos Kawai e Silnei Yuta e a prata individual de Hugo Hoyama.
1995 Em Mar Del Plata, na Argentina, o Brasil seguiu mostrando sua força no tênis de mesa, vencendo a disputa de equipes masculina (tetra-campeão invicto), dupla masculina (Hugo Hoyama/Cláudio Kano) e individual masculino, com Hoyama. As outras medalhas foram a prata no masculino, com Cláudio Kano e o bronze em duplas mistas com Hoyama e Livia Kosaka.
1996 Cláudio Kano é vitimado por um cruel acidente de motocicleta, seu hobby predileto. Kano faleceu no dia de seu embarque para os Jogos Olímpicos de Atlanta, nos Estados Unidos, deixando órfãos milhares de fãs em todo o Brasil e também no mundo. Na Olimpíada Hugo Hoyama conquistou o melhor resultado do Brasil nos Jogos, com a nona colocação.
1999 O Brasil fica com o bronze em equipes no masculino e no feminino nos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg.
2001 A bola aumenta de 38mm para 40mme os sets passam a ter 11 pontos. Antes, a contagem ia até os 21 pontos.
2002 O cearense Thiago Monteiro fez história ao vencer o Aberto do Brasil na categoria sub-21, dando ao Brasil o primeiro título de nível mundial. Neste mesmo ano, no Aberto Juvenil do Peru, com os atletas Gustavo Tsuboi, Bruno Anjos e Cazuo Matsumoto, o Brasil chegou pela primeira vez ao local mais alto de um pódio de ordem mundial com uma equipe.
2003 Se 2002 foi o ano das primeiras grandes conquistas mundiais, 2003 foi marcado por vários triunfos. Foram ao total seis títulos na temporada. Nos jogos Pan-Americanos de Santo Domingo, em agosto, Hugo Hoyama e Thiago Monteiro venceram, numa final verde-amarela contra Gustavo Tsuboi e Bruno Anjos, a disputa de duplas. Hoyama seguiu fazendo história com a conquista da oitava medalha de ouro, mantendo-se ao lado do nadador Gustavo Borges como o brasileiro com maior número de medalhas de ouro em pans.
Thiago Monteiro, além do ouro em duplas, ficou com a prata no individual e foi campeão francês com a equipe do Bayard Argentan começou da melhor maneira para os brasileiros. No Aberto Juvenil do Egito Gustavo Tsuboi faturou o título, numa final contra Cazuo Matsumoto. Já no Aberto Juvenil do Canadá, a equipe formada por Tsuboi e Cazuo venceu o torneio de equipes, mostrando-se uma das mais fortes parcerias do Circuito Internacional. Realizado com competência pela CBTM em setembro, o Aberto Juvenil do Brasil, que aconteceu em São Paulo, foi a oportunidade de a torcida brasileira ver a nova e talentosa geração em ação. Foram nada menos do que 15 medalhas, com destaque para os títulos de equipes de Gustavo Tsuboi/Cazuo Matsumoto, Carina Murashige/Mariany Nonaka e o título individual infantil de Mariany Nonaka.
O título de Carina e Mariany fez história, sendo a primeira vez que o tênis de mesa feminino do Brasil conquistou um título mundial.
Situação Atual Já foram realizados 46 Campeonatos Mundiais, o que constitui um número considerável de eventos mundiais do esporte individual, reunindo mais de 800 jogadores de 100 países, que chegam a disputar em mais de 40 mesas, num período de 13 dias. A ITTF conta com cerca de 191 federações filiadas, um dos mais numerosos quadros de sócios entre as federações internacionais dos esportes de raquete, estando ainda entre as 7 maiores federações em geral 
 
A performance do tênis de mesa nos Jogos Pan Americanos é verdadeiramente espetacular, sendo que é o único esporte do Brasil tetra-campeão por equipes masculinas invicto (1983 a 1995).
 
 
Dagoberto Midosi, Campeão Mundial de Veteranos em 1959 é o atleta de Tênis de Mesa que fez parte da Seleção Brasileira com a maior idade, atualmente com mais de 85 anos ainda pratica tênis de mesa e é um forte adversário para os jovens. Muito amigo de João Havelange foi o responsável pela participação do Brasil em vários mundiais.
 
Hugo Hoyama é o atleta brasileiro de todos os esportes juntamente com Gustavo Borges que mais tem medalhas de ouro nos Jogos Pan Americanos : 8 Medalhas de ouro com a diferença de que na natação um atleta pode conquistar até 7 medalhas nos Jogos Pan Americanose no Tênis de Mesa, atualmente, o atleta pode conquistar no máximo dois eventos. Nos jogos anteriores a 1999 havia a possibilidade da conquista de 4 medalhas por evento.
Claudio Kano é o Atleta Brasileiro com os melhores resultados em Eventos Mundiais de Adultos: sexto colocado na Copa do Mundo Individual realizado em Macau em 1987, sexto colocado na Copa do Mundo Individual realizado em Nairóbi no Quênia em 1989. É o atleta Sul Americano que tem o maior número de Títulos de Campeão: 20, e é o atleta Latino Americano com o maior número de Títulos de Campeão: 9.
Em Piracicaba,SP, um cluster do Tênis de Mesa no Brasil, existe um Centro de Treinamento reconhecido pela International Table Tennis Federation (ITTF) para ser o Centro de Treinamento da América Latina. A Universidade Metodista de Piracicaba também tem um convênio com a CBTM para certificar Técnicos. A CBTM tem uma seleção denominada Seleção Olímpica Permanente que mora e treina em Piracicaba. Outros clusters são – Marília, Santos e Colônia Japonesa da capital de SP, Colônia Japonesa do Norte do Paraná, Projeto de Barcarena - Pará.
 

Há aproximadamente 8 anos atrás, a CBTM criou o seu Plano Estratégico, cuja missão vem descrita a seguir:

 

1 -MISSÃO DA CBTM
Aumentar a prática do Tênis de Mesa no Brasil em todas as suas manifestações (performance, educação e participação), melhorar a qualidade de todas as atividades envolvidas no Tênis de Mesa e desempenhar seu papel social, através de uma administração com metodologia de ponta, comunicação otimizada, auto-suficiência financeira, buscando permanentemente a terceirização dos processos e a perpetuação da CBTM.

 

Assim, para se ter uma administração com metodologia de ponta, comunicação otimizada buscando a terceirização dos seus processos como consta da missão da CBTM, começamos a buscar e desenvolver ferramentas para cumprir a missão.
1) Criamos um programa denominado PAPER LESS que não circula e nem arquiva papéis mas sim informações digitalizadas. Só arquivamos documentos exigidos por lei.
2) Como a Missão prevê a Terceirização dos Processos procuramos identificar todas as atividades da CBTM colocando-as em planilhas denominadas Planilha de Atividades, assim cada área de trabalho possui uma Planilha de Atividades onde estão descritas todas as Atividades da área e a sua frequência de execução. Temos na CBTM perto de 700 atividades catalogadas.
3) Como na modernidade a Terceirização remunera os executantes pelos serviços executados, atribuímos a cada atividade uma pontuação em função da sua importância e dificuldade de execução por exemplo: elaborar um procedimento vale 30 Pontos.
4) Criamos e continuamos a criar Procedimentos de como executar cada atividade, hoje a CBTM já possui perto de 300 procedimentos.
5) Para acompanhar a execução das atividades, usamos um Software utilizado para acompanhar a execução de Projetos denominado Project Builder e o adaptamos para acompanhar a execução de todas as nossas atividades que classificamos em:
Rotineiras
Extras
De Eventos.
Especiais.
Através deste projeto podemos:
- acompanhar de qualquer local do Brasil o andamento das várias atividades, uma vez que o acesso ao projeto é via internet;
- fazer a medição dos serviços executados para remunerar o executante;
- emitir para o terceirizado o valor e ser pago para o executante;
- ter registrada toda atividade executada e qualquer documento gerado na execução da atividade.

 

 

© CBTM - Confederação Brasileira de Tênis de Mesa