História da CBTM

 

ÍNDICE

- Missão da CBTM

- Atual Presidente

- CBTM - Presidentes

- História do Tênis de Mesa no Brasil

- Grandes Nomes do Passado

- Linha do Tempo do Tênis de Mesa no Brasil

- História da Modalidade (link)

 

Missão da CBTM

Aumentar a prática do tênis de mesa no Brasil em todas as suas manifestações (performance, educação e participação), melhorar a qualidade de todas as atividades envolvidas no tênis de mesa e desempenhar seu papel social, através de uma administração com metodologia de ponta, comunicação otimizada, auto-suficiência financeira, buscando permanentemente a terceirização dos processos e a perpetuação da CBTM.

 

Atual Presidente

O atual presidente da CBTM é Alaor Gaspar Pinto Azevedo, mineiro de Itajubá (08/09/1955). Formado em medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com 33 anos e seis meses de atuação destacada no Hospital Federal dos Servidores do Estado (residente de 1979 a 1981 e diversas outras funções, além de diretor geral entre 1997 e 1998, assessor da Chefia da UPE (Unidade de Pacientes Externos) entre junho de 2008 até a aposentadoria, em 2017). É especializado em Medicina no Trabalho pela Universidade Gama Filho; Hematologia Clínica, pela Sociedade Brasileira de Hematologia e Hemoterapia; e Medicina Interna, pelo Hospital Federal dos Servidores do Estado, além de ser membro efetivo da Sociedade Brasileira de Alergia e Imunologia. Foi também secretário do Conselho Deliberativo da Associação dos Servidores do Hospital dos Servidores do Estado (ASHSE) presidente da Comissão Fiscal (1994 a 2005), assessor de planejamento da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (janeiro de 1999 a junho de 2008), oficial médico da Marinha do Brasil (1983 a 1986) e médico de empresas particulares como Comig (Companhia Madeireira São Miguel), Norpalma (Palmitos do Norte Ltda) e Indústria e Comércio Aramã Ltda..

Ele iniciou as atividades no tênis de mesa nos anos de 1960, tornando-se atleta aos 12 anos, em Itajubá (MG). Foi campeão mineiro em todas as categorias. Já morando em Santos (SP), fez parte da Seleção Brasileira juvenil no Campeonato Sul-Americano de 1971, onde foi campeão por equipes. Atuou na Seleção adulta nos Campeonatos Mundiais de 1975 (Calcutá) e 1977 (Birmingham). Conquistou diversos títulos universitários, paulistas, dois tricampeonatos cariocas (duplas e equipes pelo Fluminense, onde jogou por seis anos) e também participou de algumas decisões de Campeonatos Brasileiros. Recebeu o título de benemérito atleta do Fluminense, por sua carreira repleta de êxito. É membro nato do Conselho de Administração do clube. Encerrou a carreira de jogador em 1978, quando se formou médico pela UFRJ. Veja AQUI os títulos de Alaor Azevedo como atleta.

No Rio de Janeiro, onde chegou em 1972, foi também monitor de Educação Física, na Universidade Santa Úrsula (1975 a 1979), e Universidade Gama Filho (1977 a 1980). Também foi responsável pela modalidade de tênis de mesa junto à coordenação geral de Educação Física Desportiva, na Escola de Educação Física e Desportos, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (1975 a 1977). Foi diretor de tênis de mesa da Federação de Esportes Universitários do Rio de Janeiro, de agosto de 1973 a outubro de 1977, e presidente da Federação Carioca de Tênis de Mesa (atualmente Federação de Tênis de Mesa do estado do Rio de Janeiro), entre fevereiro de 1976 e fevereiro de 1978. Também atuou como membro do Conselho de Assessores de Tênis de Mesa da Confederação Brasileira de Desportos, entre abril de 1977 e março de 1978, sendo eleito posteriormente para a presidência do Conselho, onde ficou até agosto de 1978. No ano seguinte, participou do movimento que fundou a Confederação Brasileira de Tênis de Mesa, no dia 30 de maio de 1979.

Sua chegada a CBTM aconteceu em maio de 1984, durante a gestão do presidente José Pereira Antelo, quando passou a ocupar o cargo de diretor técnico, onde permaneceu até janeiro de 1986. Foi o responsável por promover grandes competições internacionais, como o I Aberto do Brasil, no Maracanãzinho, com grandes craques do tênis de mesa mundial. Foi eleito para seu primeiro mandato como presidente em janeiro de 1986, sendo reeleito até 1992. Voltou ao cargo em 1995, sendo reeleito por mais cinco vezes. O atual mandato iniciou em 2017 e tem previsão de encerramento no início de 2021. 

Alaor Azevedo também foi presidente da Confederação Sul-Americana de Tênis de Mesa - Consuteme (1986 a 1987), vice-presidente da União Latino-Americana de Tênis de Mesa - ULTM, (março de 1989 a março de 1991), e membro dos Comitês de Mídia e da Juventude da Federação Internacional de Tênis de Mesa – ITTF, no mesmo período. Foi eleito membro da diretoria da ITTF em março de 1991, cargo que ainda ocupa atualmente.

 

CBTM - Presidentes

1979-1983 - José Pereira Antelo

1983-1986 - José Pereira Antelo

1986-1989 - Alaor Gaspar Pinto Azevedo

1989-1992 - Alaor Gaspar Pinto Azevedo

1992-1996 - Ivam Passos Vinhas

1996-2001 - Alaor Gaspar Pinto Azevedo

2001-2005 - Alaor Gaspar Pinto Azevedo

2005-2009 - Alaor Gaspar Pinto Azevedo

2009-2013 - Alaor Gaspar Pinto Azevedo

2013-2017 - Alaor Gaspar Pinto Azevedo

 

2017-2021 - Alaor Gaspar Pinto Azevedo

 

História do Tênis de Mesa no Brasil

No Brasil, os iniciantes da prática do esporte eram turistas ingleses que, mais ou menos em 1905, começaram a implantá-lo no país. 

Pode-se fixar o ano de 1912 como início das atividades organizadas do tênis de tesa no Brasil, pois até então ele era praticado somente em casas particulares e em clubes. Naquele ano foi disputado o primeiro campeonato por equipes na cidade de São Paulo, sagrando-se vencedor o Vitória Ideal Clube. 

Até 1942, o esporte seguiu com altos e baixos no país, quando atletas cariocas, representados por De Vicenzi, A. Neves e G. Ferreira, e paulistas, representados por Bolonga, F. Nunes e W. Silva, aprovaram a tradução das regras e assinaram convênios que levaram à oficialização do tênis de mesa pela CBD (Confederação Brasileira de Desporto). 

Em 1947, graças ao esforço de De Vicenzi, o Brasil participou do 3º Campeonato Sul-Americano e, a partir de então, a participação do Tênis de Mesa Brasileiro nos Mundiais vem intensificando o intercâmbio internacional, tão indispensável para o nosso progresso.

 

Grandes Nomes do Passado

 

IVAN SEVERO

Líder da equipe que conquistou o 5º lugar no Mundial de 1959, sem perder uma partida.

 

UBIRACI RODRIGUES DA COSTA (BIRIBA)

O mais novo atleta masculino a fazer parte de uma Seleção Brasileira, disputando o Campeonato Mundial em Dortmund – Alemanha, com apenas 14 anos. No Mundial de Pequim na China, em 1961, ele desclassificou na terceira rodada o campeão mundial Rong Guotuan.

 

DAGOBERTO MIDOSI

Ao lado de Ivan Severo, alcançou o melhor resultado da história do país em Mundiais adultos: quartas de final de duplas masculinas, em 1954. Cinco anos depois, foi campeão mundial de veteranos. Liderou a participação brasileira em diversos Mundiais.

 

HUGO HOYAMA

É o recordista brasileiro de medalhas em Pan-Americanos no tênis de mesa: 15, sendo dez de ouro, uma de prata e quatro de bronze. Em 1996, alcançou o melhor resultado do país em Jogos Olímpicos, caindo nas oitavas de final em Atlanta, nos Estados Unidos. É o atual técnico da seleção feminina.

 

CLÁUDIO KANO

Durante longo tempo, foi o mesa-tenista brasileiro com os melhores resultados individuais em eventos mundiais adultos. Foi sexto colocado na Copa do Mundo, em Macau, em 1987, e em Nairóbi, no Quênia, em 1989. Também em 1987, chegou às oitavas de final do Campeonato Mundial.

 

Linha do Tempo do Tênis de Mesa no Brasil

1905

O tênis de mesa chega a São Paulo por meio de turistas ingleses. O nome era o mesmo utilizado em Londres (ping-pong), assim como a diversidade de regras aplicadas.

 

1912

A modalidade começa a ser praticada de forma mais organizada, com a disputa do primeiro campeonato por equipes, vencido pelo Vitória Ideal Clube.

 

1924

Primeiros registros do tênis de mesa no Rio de Janeiro, onde a prática já ocorria no Vasco da Gama.

 

1926

Surge a Liga Paulistana, cujo campeonato oficial de estreia foi conquistado pelo Castelões Futebol Clube.

 

1929

O alemão Máximo Cristal traz ao Brasil a primeira raquete com pino. No mesmo ano, o atual campeão Afins Sociedade Recreativa retira-se da Liga para fundar a Associação Paulista de Ping Pong.

 

1932

Em junho, a Liga Carioca de Ping Pong e o Esporte Clube Antártica resolveram disputar em São Paulo uma série de jogos. Durante a viagem, estoura a revolução constitucionalista. A delegação carioca é recebida em São Paulo pela guarda de honra militar. Durante três meses, os atletas são obrigados a viver na capital paulista, amparados por colegas da modalidade com alojamento ou mantimentos. Realizam, inclusive, exibições pagas para levantar recursos.

 

1937

O paulista Rafael Bologria lê na revista "Life" uma reportagem do norte-americano Lou Pagliaro e constata a diferença entre o tênis de mesa nacional e o praticado no exterior. Pensa, então, num intercâmbio técnico. Após grande esforço, consegue a colaboração de uma colônia húngara para, com o patrocínio de Leon Orban, promover a vinda, no ano seguinte, dos campeões mundiais M. Szabados e I. Kelen.

 

1938

Apesar das diferenças das regras e das dimensões da mesa, Szabados é derrotado diante de cerca de duas mil pessoas, na primeira vitória internacional do Brasil.

 

1940

Intensifica-se o movimento de desenvolvimento do tênis de mesa no Brasil, com adoção das regras internacionais. Em novembro, é inaugurada a primeira mesa do país, no Clube Atlético Fazenda Estadual. No ano seguinte, a antiga Associação de Ping Pong transforma-se em Federação Paulista de Tênis de Mesa. Meses depois, é fundada no Rio a Federação Metropolitana de Tênis de Mesa, apoiada pelos grandes clubes da cidade.

 

1942

Cariocas e paulistas aprovam a tradução das regras e assinam convênios que levam à oficialização do tênis de mesa pela Confederação Brasileira de Desportos (CBD).

 

1946

É disputada a primeira edição do Campeonato Brasileiro de Tênis de Mesa. O Rio de Janeiro conquista os títulos por equipes masculinas e femininas, individual masculino e duplas masculinas.

 

1947

Brasil participa do terceiro Campeonato Sul-Americano, intensificando o intercâmbio internacional da modalidade. Mário Jofre idealiza a participação do país em Mundiais, executada por Dagoberto Midosi.

 

1961

Dois anos após se tornar o mais jovem atleta masculino a fazer parte de uma seleção brasileira, aos 14 anos, Ubiraci Rodrigues da Costa, o Biriba, vence o então campeão Rong Guotuan no Mundial de Pequim, na China.

 

1980

É fundada a Confederação Brasileira de Tênis de Mesa.

 

1983

Brasil conquista suas primeiras medalhas no torneio de tênis de mesa dos Jogos Pan- Americanos, em Caracas, na Venezuela.

 

1984

O Brasil organiza seu primeiro Mundialito - atual Aberto do Brasil - no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro. A competição é promovida pela CBTM, e é um dos torneios abertos da América Latina reconhecidos pela Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF).

 

1988

Claudio Kano e Carlos Kawai representam o Brasil na estreia do tênis de mesa nos Jogos Olímpicos, em Seul, na Coreia do Sul.

 

1990

Seleção brasileira disputa pela primeira vez os Jogos Sul-Americanos, conquistando cinco ouros (Equipe masculina – Cláudio Kano, Hugo Hoyama, Silnei Yuta e Washington Spolidori; Individual masculino – Cláudio Kano; Dupla masculina – Cláudio Kano e Hugo Hoyama; Dupla feminina – Carla Tibério e Mônica Doti; Dupla mista – Cláudio Kano e Mônica Doti), duas pratas (Equipe feminina – Edna Fuji, Carla Tibério, Mônica Doti e Marta Massuda; Individual masculino - Hugo Hoyama) e um bronze (Individual masculino – Silney Yuta).

 

1996

Hugo Hoyama dá ao Brasil o melhor resultado de sua história em Jogos Olímpicos, ao alcançar as oitavas de final em Atlanta, nos Estados Unidos, quando eliminou o campeão mundial Jorgen Persson (Suécia). Cláudio Kano é vitimado por um cruel acidente de motocicleta, seu hobby predileto. Kano faleceu no dia de seu embarque para os Jogos de Atlanta.

 

2008

Welder Knaf e Luiz Algacir conquistam a medalha de prata no torneio por equipes da Classe 3 dos Jogos Paralímpicos de Pequim, na China.

 

2011

Hugo Hoyama obtém seu décimo ouro em edições do Pan, em Guadalajara. Outro Hugo, o Calderano é bronze no Mundial Cadete.

 

2012

Calderano ganha Abertos na Polônia e no México e alcança a liderança do Ranking Mundial sub-18;

 

2013

Cazuo Matsumoto foi o primeiro sul-americano a conquistar uma etapa do Circuito Mundial, promovido pela Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF) na Europa, o Aberto da Espanha.

 

2014

Hugo Calderano é bronze individual nos Jogos Olímpicos da Juventude, em Nanquim, na China. No mesmo ano, a seleção feminina é campeã mundial da segunda divisão. No Mundial Paralímpico, na Chinam o país conquista três medalhas de bronze, as primeiras da história, com Bruna Alexandre (classe 10), Aloísio Lima e Bruno Braga (equipes - classe 1) e Bruna Alexandre, Jennyfer Parinos e Jane Rodrigues (equipes - classe 9 e 10).

 

2015

Bruna Takahashi conquista o Desafio Mundial de Cadetes e traz para o Brasil o primeiro título mundial no tênis de mesa.

 

2016

Hugo Calderano iguala a marca de melhor campanha em Jogos Olímpicos ao alcançar as oitavas de final da Rio 2016. O atleta ainda faz história ao conquistar a prata no torneio individual do Aberto da Áustria – etapa Major e o ouro no Aberto da Suécia- etapa Major, ao lado de Gustavo Tsuboi, nas duplas.

Nos Jogos Paralímpicos, o Brasil fatura quatro medalhas: prata no individual da Classe 7 (Israel Stroh); e bronze no individual da Classe 10 (Bruna Alexandre), por equipes na Classe 6-10 feminina (Bruna Alexandre, Danielle Rauen e Jennyfer Parinos) e por equipes na Classe 1-2 masculina (Aloisio Lima, Guilherme Costa e Iranildo Espíndola).

 

2017

Hugo Calderano alcança o Top-20 do ranking mundial individual e é campeão do Aberto do Brasil.

 

2018

Calderano é o primeiro brasileiro a ser finalista de uma etapa platinum do Circuito Mundial, no Aberto do Catar. O mesa-tenista carioca alcança o Top-10 do ranking mundial individual.

 

Caso queira conhecer mais sobre a História da modalidade, desde o Século 19, clique aqui.