Aniversariante de segunda-feira, Giulia Takahashi segue sua trajetória vitoriosa

29/03/2018 21:34

Uma das atrações da Copa Brasil vai completar apenas 13 anos e está cada vez mais arrasadora nas mesas 

Crédito da Foto: Christian Martinez/RGB Studios.

 

Concórdia (SC), 29 de março de 2018.
Por Claudia Mendes e Juliana Cumplido

Cada vez mais o tênis de mesa brasileiro olha com um misto de esperança e espanto para uma miúda menina, que vai completar 13 anos na próxima segunda-feira (2/4). Giulia Takahashi está fazendo o que mais gosta pouco antes de soprar velinhas: jogar tênis de mesa. Jogar não, atropelar adversárias nas mesas. Muitas vezes, bem maiores do que ela.

Giulia tem idade para jogar a categoria mirim. Mas já é destaque no infantil. Na última seletiva para a Seleção, não perdeu um único set. Foi para o Sul-Americano Infantil, venceu a disputa individual, ajudou as companheiras a ganhar o título de equipes e foi campeã de duplas com Laura Watanabe. No primeiro dia disputas da Copa Brasil, em Concórdia (SC), foi quatro vezes para a mesa. Ganhou todas, sem perder um único set.

Falta de humildade é coisa que passa longe da pequena campeã. O presente que gostaria de ganhar na segunda-feira não é um título ou algo palpável.

"Não penso em nada material. Quero muita saúde pra seguir minha vida e minha carreira. Apenas isso", diz, com a simplicidade de suas vitórias, uma categoria acima de sua idade. "Jogar em uma categoria acima é uma experiência muito boa e me cobro cada vez mais. Sinto uma pressão muito grande, mas tenho o apoio da minha família, amigos e do Paco, meu treinador”.

Giulia é irmã de Bruna Takahashi, outro grande talento do tênis de mesa brasileiro, bem mais presente na memória de todos, pois já é uma das principais mesa-tenistas do país, aos 17 anos. Elas trocam informações e observam os jogos uma da outra.

A vida pessoal não deixa de ser afetada, evidentemente. Mas ela vai tirando de letra, inclusive no colégio.

“No início estava meio perdida, nas pego as lições com as colegas e agendo as provas com os professores, de acordo com as competições. Eu adoro teatro, fazia curso, mas precisei parar por conta do tênis de mesa. Não pretendo voltar. A prioridade é a minha carreira esportiva”, avisa.

 

A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa conta com recursos da Lei Agnelo/Piva (Comitê Olímpico do Brasil e Comitê Paralímpico Brasileiro) - Lei de Incentivo Fiscal e Governo Federal - Ministério do Esporte.

 

FATO&AÇÃO COMUNICAÇÃO

Assessoria de Comunicação da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa - CBTM

Claudia Mendes - claudia@fatoeacao.com
Marcio Menezes – marcio@fatoeacao.com
Juliana Cumplido (estagiária) - juliana@fatoeacao.com

imprensa@cbtm.org.br
fatoeacaocomunicacao@gmail.com

 

Siga a CBTM nas redes sociais:

FACEBOOK: www.facebook.com/cbtenisdemesa

TWITTER: www.twitter.com/cbtm_tm

INSTAGRAM: @cbtenisdemesa