Eduardo Tomoike ajuda a manter a tradição do caneteiro quadrado

26/07/2013 12:22

O Tênis de Mesa brasileiro está muito bem representado em todas as categorias. No adulto masculino o país conta com atletas como Cazuo Matsumoto, Gustavo Tsuboi e Thiago Monteiro, que lutam pelo objetivo de figurar no Top 50 do Ranking Mundial até os Jogos Olímpicos de 2016.

Entre os mais jovens estão Eric Jouti, Hugo Calderano e Vitor Ishiy, uma nova geração que está mostrando a cada temporada ter condições de manter a hegemonia das Américas e ir mais além. No infantil e no mirim a história não é diferente, com nomes como Rafael Torino, Eduardo Tomoike (foto) e Daniel Godoy.

Com o conhecimento adquirido durante uma vida inteira dedicada ao esporte, Marcos Yamada, um dois mais respeitados especialistas do país, não tem dúvidas em apontar o pequeno  Eduardo Tomoike, o Dudu, como alguém que reúne todas as qualidades para se tornar um astro da modalidade.

Dudu foi campeão Sul-americano Individual em 2011, no Paraguai, campeão Latino Americano, também em 2011, na Guatemala, campeão Sul-americano em 2012 no Peru, e Latino-Americano na Venezuela. No Sul-americano do Paraguai, que terminou no último domingo, o atleta conquistou o ouro no Torneio de Equipes e ficou com o bronze no individual.

Há cinco anos, Marcos Yamada descobriu Dudu e conseguiu convencer os pais dele, Tadashi e Miriam, que o filho deveria abandonar o judô para se dedicar exclusivamente ao Tênis de Mesa. O atleta é carismático, tem a humildade dos campeões e vive sorrindo, o que o leva a ter muitos amigos.

O menino se tornou o mais jovem atleta do país a ter um contrato com a empresa "Butterfly Japan", cujo representante na América Latina é justamente Marcos Yamada.

Ainda é cedo para dizer que o pequeno Dudu será um dos maiores atletas da história do Tênis de Mesa brasileiro, mas seu estilo caneteiro quadrado, que é o mesmo de Hugo Hoyama e Cazuo Matsumoto, faz dele um dos únicos no país, pois a maioria dos atletas passou a adotar a forma clássica.

A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa conta com recursos da Lei Agnelo/Piva – Lei de Incentivo Fiscal e Governo Federal – Ministério do Esporte.