Equipe brasileira de tênis de mesa participa de prévia da Paralimpíada, na Eslovênia

07/05/2019 15:15

Aberto com nível semelhante ao do principal torneio do ciclo paralímpico terá a presença de oito brasileiros

FOTO: Iranildo Espíndola é uma das atrações do Aberto da Eslovênia. Crédito: Roberto Castro/Rede do Esporte.

 

Lasko (SLV), 07 de maio de 2019.

Por: Assessoria de Comunicação - CBTM

Uma prévia da Paralimpíada de Tóquio. Assim pode ser encarado o Aberto da Eslovênia, competição do Circuito Mundial Paralímpico, que começa nesta quarta-feira (8), em Lasko. Poucas vezes, um torneio internacional teve tantos craques reunidos.

O Brasil tem oito na disputa: Carla Azevedo, Cátia Oliveira, Guilherme Costa e Iranildo Espíndola (classe 2); Paulo Salmin e Israel Stroh (classe 7); e, Danielle Rauen e Jennyfer Parinos (classe 9). Claudio Massad (classe 10), que também participaria, não embarcou, pois está em tratamento em função de uma hérnia de disco.

A explicação para tantos craques é simples. A classificação para os Jogos Paralímpicos pode ser obtida em seletivas mundiais, em competições continentais (Parapan, por exemplo) ou pelo ranking mundial. Exatamente este último fator é considerado por vários atletas, que buscam uma vaga em Tóquio. Assim, o torneio terá a presença de quase todos os principais atletas do planeta. Em algumas categorias, os 20 primeiros do ranking mundial estão confirmados.

O Brasil tem boas lembranças recentes da Eslovênia. No Mundial do ano passado, Cátia Oliveira conquistou a medalha de prata individual inédita. No Aberto da Eslovênia de 2018, Cátia, Danielle, Jennyfer e Guilherme, além de Bruna Alexandre, conquistaram medalhas individuais.

“Gera uma expectativa muito grande, por ser um ano que antecede a Paralimpíada. Os torneios se tornam mais difíceis pelo número de atletas de ponta. Essa competição está sendo considerada a maior da História, pelo número de atletas, pelo nível e pelo momento, antes de uma Paralimpíada. Todo mundo veio aqui em busca dessa classificação” diz Iranildo Espíndola, um dos que tentam melhorar a pontuação no ranking.

“Eu quero jogar bem, aumentar minha pontuação. Nos Abertos da Itália e da Espanha, não fui tão bem. Perdi para alguns atletas que estavam bem abaixo no ranking e cai de 16° para 20°. Aqui é uma boa oportunidade para recuperar e quero usar a minha experiência para isso”, avisa Espíndola.

 

A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa conta com recursos da Lei Agnelo/Piva (Comitê Olímpico do Brasil e Comitê Paralímpico Brasileiro) - Lei de Incentivo Fiscal e Governo Federal - Ministério do Esporte.
 

FATO&AÇÃO COMUNICAÇÃO

Assessoria de Comunicação da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa - CBTM

Claudia Mendes – claudia@fatoeacao.com

Nelson Ayres – nelson@fatoeacao.com

Lucas Mathias (estagiário)

imprensa@cbtm.org.br

fatoeacaocomunicacao@gmail.com

                                                         

Siga a CBTM nas redes sociais:
 
FACEBOOK:
 www.facebook.com/cbtenisdemesa

TWITTER: www.twitter.com/cbtm_tm

INSTAGRAM: @cbtenisdemesa