Intercolonial marca os 100 anos da colonização japonesa no Vale do Ribeira

18/01/2013 12:49

Basta caminhar um pouco pelas ruas da cidade de Registro, no Vale do Ribeira, em São Paulo, para constatar a influência dos japoneses, seja nos traços facilmente vistos em praticamente todos trabalhadores do comércio ou nos sobrenomes escritos nas fachadas dos consultórios médicos.

Mantendo a tradição, o local da 63ª edição do Campeonato Brasileiro Intercolonial de Tênis de Mesa não foi escolhido por acaso. O evento marca a comemoração do centenário da colonização japonesa nos municípios de Registro, Iguape e Sete Barras.

Registro foi fundado nos tempos coloniais, durante a exploração do ouro, para cobrança do dízimo devido à coroa Portuguesa. Daí o nome de Porto do Registro. Após a descoberta de outras jazidas em Minas Gerais e Goiás levaram os aventureiros a debandarem da região, passando por uma fase de estagnação.

A região só voltou a se desenvolver a partir de 1917, quando, através da companhia ultramarina Kaigai Kogyo Kabushiki Kaisha (foto), chegaram à região cerca de duas mil famílias japonesas, concentrando-se grande parte em Registro.

A lavoura de arroz, embora já praticada anteriormente, expandiu-se com os japoneses, também responsáveis pela introdução do plantio de chá, que se tornou a riqueza da região. O Vale do Ribeira, localizado entre dois grandes centros São Paulo e Curitiba, não possuía ligação terrestre com os mesmos.

O comércio era realizado por via fluvial através de Iguape, o que encarecia os produtos da região. A partir da construção da Rodovia Regis Bitencourt - BR 116 surgiu um novo ciclo de desenvolvimento da área, destacando-se Registro como um dos mais promissores centros.