Iranildo Espíndola

13/06/2019 15:02

Dados Pessoais

Nome Completo: Iranildo Conceição Espíndola
Classe: 02

Ranking: 21º
Sexo: masculino
Data de Nascimento: 24/01/1969
Local de Nascimento: Silvânia-GO
Altura (cm): 170
Peso (kg): 70

Informações adicionais
Residência atual (cidade): São Paulo-SP
Ocupação: atleta

Informações específicas esportiva:
Quando e onde começar a praticar seu esporte?
Em 1997, em Brasília.

Por que você escolheu esse esporte?
Foi o que conseguiu melhor se adaptar ao tipo de lesão que tinha.

Detalhes da Associação ou Clube:
AABB-Rizzone, Brasília-DF

Treinadores atual (nome, país e ano de início dos trabalhos):
Paulo Molitor

Escreva sobre sua rotina de treinamento:
5x por semana, 03 horas por dia.

Estilo:
Clássico / destro

Estréia Internacional

2000, Torneio Mediterrâneo, em Agrigento, Itália.

Participação em Jogos Paralímpicos
Jogos Paralímpicos de Atenas 2004; Jogos Paralímpicos de Pequim 2008; Jogos Paralímpicos de Londres 2012; Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro 2016.

Interesse Geral
Apelido
Iran
Hobbies:
Ver televisão e dormir
Momento esportivo memorável
Ser escolhido o melhor atleta cadeirante de tênis de mesa das Américas nos Jogos Parapanamericanos de Guadalajara, em 2011, e ser eleito o maior ganhador de parapanamericano do Tênis de Mesa do Brasil, 15 medalhas no total, sendo, 10 ouros, 1 prata e 4 bronzes (simples e equipes)
Ídolos esportivos.
Zico, ex-jogador de futebol brasileiro.
Rival / Forte concorrência?
Os franceses e coreanos.
Tem algum ritual ou superstição antes de competir ou treinar?
Concentra-se ouvindo música.
Lema ou filosofia no esporte:
“Retroceder nunca, render-se jamais”.
Quais prêmios esportivos ganhou, e em que ano
Melhor atleta cadeirante das Américas em 2011.
Já competiu em alto nível em outros esportes?
Foi jogador de futebol de base do Goiás-GO (de 1979 a  1989)
Quais são as suas ambições durante e após sua carreira?
Disputar seis Jogos Paralímpicos (já disputou quatro), e após continuar vivendo com saúde.

Resumo:

Iranildo chegou a ser jogador de futebol profissional. Um dia, na praia, em março de 1995, ele resolveu dar um mergulho e bateu com a cabeça num banco de areia. Isso o deixou tetraplégico. Por recomendação de seu fisioterapeuta e influenciado pela família, o goiano conheceu o Tênis de Mesa e nunca mais largou. Em 1998 já estava competindo. Em 2016 ganhou a medalha de bronze nos Jogos Paralímpicos 2016, no Rio de Janeiro, na disputa por equipes.