De olho no Mundial Paralímpico, Isarel e Salmin fazem duelo na Copa Brasil

01/07/2018 09:30

Atletas decidiram a classe 7 e optaram por jogar também entre os olímpicos, para pegar ritmo de competição

Crédito da Foto: Christian Martinez/RGB Studios.

 

Toledo (PR), 1º de julho de 2018.

Claudia Mendes

 

Um grande duelo agitou o sábado (30), na Copa Brasil Sul-Sudeste, em Toledo. Israel Stroh e Paulo Salmin decidiram a classe 7 masculina do torneio paralímpico. Melhor para Stroh, que venceu por 3 a 0 (11/7, 12/10 e 12/10). Porém, o grande objetivo dos dois está mais além: o Mundial Paralímpico da Eslovênia, em outubro.

O objetivo de se preparar para a competição internacional fica evidenciado na estratégia de disputar tanto as competições paralímpicas quanto as olímpicas em Toledo. Melhorar o ritmo de jogo e aumentar o nível de exigência são algumas das metas.

"O planejamento está todo voltado para isso. Quero estar melhor no Mundial. É ótimo para pegar ritmo de jogo", avisa Salmin, que tem 24 anos e a partir de agosto começa a cursar faculdade de Educação Física. "Quero passar minha vivência e ensinamentos adiante", explica.

Israel também não esconde a preocupação com o Mundial: "Estou trabalhando em várias frentes. Os jogos do Rio foram importantes para eu estar entre os melhores do mundo. Tenho algumas fraquezas e estou trabalhando isso com as psicólogas Bruna (da equipe paralímpica) e com a Juliane Fechio (particular). Vou estar muito bem no Mundial e na Paralimpíada de Tóquio”, promete.

Israel adquiriu um programa onde estuda todos os fundamentos de seus principais adversários: estratégias, saque, como o adversário faz o ponto, entre outros. Pegou alguns jogos pela internet e começou os estudos. O trabalho deu resultado na Paralimpíada do Rio e agora ele está renovando essa licença.

"Aposto que serei um novo atleta no Mundial. Isso não quer dizer que esteja com o título nas mãos. É uma questão mais ampla, com um trabalho mais elaborado", explica.

Salmin se mostra confiante no desempenho da equipe brasileira, tanto no Mundial quanto na Paralimpíada: "O nível dos principais atletas é muito alto. Essa safra é muito boa. Acredito muito no Brasil no Mundial. Mas acho que o auge mesmo será em Tóquio".

 

A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa conta com recursos da Lei Agnelo/Piva (Comitê Olímpico do Brasil e Comitê Paralímpico Brasileiro) - Lei de Incentivo Fiscal e Governo Federal - Ministério do Esporte.
 

FATO&AÇÃO COMUNICAÇÃO

Assessoria de Comunicação da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa - CBTM

Claudia Mendes – claudia@fatoeacao.com

Marcio Menezes – marcio@fatoeacao.com

Nelson Ayres – nelson@fatoeacao.com

imprensa@cbtm.org.br

fatoeacaocomunicacao@gmail.com

                                                         

Siga a CBTM nas redes sociais:
 
FACEBOOK:
 www.facebook.com/cbtenisdemesa

TWITTER: www.twitter.com/cbtm_tm

INSTAGRAM: @cbtenisdemesa