Jean-René: "Não temos tempo para sonhar, agora é tempo para trabalhar"

12/02/2013 18:41

(Na foto, da esquerda para a direira, Gustavo Tsuboi, Cazuo Matsumoto, Jean-René e Thiago Monteiro no Insep)Os brasileiros Cazuo Matsumoto, Gustavo Tsuboi e Thiago Monteiro entram em ação a partir dessa quinta-feira no Aberto do Kuwait, uma das mais importantes e badaladas etapas do Circuito Mundial promovidas pela Federação Internacional de Tênis de Mesa.

A fase não poderia ser melhor. Cazuo Matsumoto foi campeão na Espanha e Gustavo Tsuboi surpreendeu na Áustria ao derrotar o francês Adrien Mattenet, 28º do Ranking Mundial, e depois enfrentar de igual para igual o japonês Kazuhiro Chan (32º), nas oitavas de final.

Graças a esses resultados, o Tênis de Mesa brasileiro voltou a ter dois atletas entre os cem melhores do mundo. Cazuo Matsumoto subiu para a 84ª posição, a melhor de sua carreira, e Gustavo Tsuboi teve uma evolução ainda mais expressiva, saindo da 113ª para a 90ª.

Depois dos eventos na Espanha e Áustria os brasileiros passaram duas semanas treinado com os jogadores da Seleção Fracesa em Paris, no Insep, a casa dos atletas Olímpicos de várias modalidades, que é referência e considerado um dos maiores Centros de Treinamento da Europa.

O cnico Jean-René Mounie acompanhou de perto o grupo durante esse período e ficou muito satisfeito. Nessa entrevista, o francês que comanda a Seleção Brasileira masculina garantiu que todos estão muito bem preparados para mais esse desafio.

Além disso, o técnico afirmou que ninguém precisa deixar o Brasil para continuar evoluíndo na modalidade, desde que seja possível encontrar no calendário um tempo adequado para o treinamento entre as competições, o que considera um dos maiores problemas.

Sobre as chances de medalhas no Kuwait, um evento que conta com a presença dos sempre favoritos chineses, o discurso de Jean-René é baseado na confiança do trabalho que vem sendo feito e no talento que os brasileiros já demonstraram.

--- Não temos tempo para sonhar, agora é tempo para trabalhar --- afirmou o técnico.

 

CBTM - Como foi a preparação dos brasileiros para o Aberto do Kuwait?

Jean-René Mounie - A preparação dos brasileiros foi ótima. Depois da Áustria todos estavam muito casandos mas tiveram dez dias para descasar e treinar com uma boa qualidade. Thiago teve que participar na Liga Francesa mas fez o esforço de ir no Insep depois do jogo dele. Posso garantir que os tres treinaram bastante, cada jogador com uma estratégia bem específica.

 

CBTM - Cazuo e Gustavo já participaram da Liga Francesa. Voltar a disputá-la seria uma boa opção para elevar o nível dos brasileiros?

Jean-René Mounie - A Liga Francesa é uma opção interessante, mas somente uma opção. Então, o lugar é menos importante do que o calendário, mas com certeza os jogadores têm tudo para evoluir.

 

CBTM - Os dois podem evoluir apenas treinando em São Caetano?

Jean-René Mounie - Ninguém (Cazuo e Gustavo) está apenas em São Caetano. É uma mistura entre treinos na Europa e em São Caetano.

 

CBTM - E como funciona isso?

Jean-René Mounie - O mais importante é a gestão do calendário e temos muitos problemas para achar bons períodos. Para conseguir evoluir, precisamos de alguns períodos com muitos jogos e outros somente para treinos.

 

CBTM - Qual é a importância de se disputar cada vez mais eventos internacionais?

Jean-René Mounie - É fundamental para entender e sentir melhor a exigëncia do alto nível e estar pronto com esse tipo do ritmo.

 

CBTM - Quais são os principais favoritos para a conquista do Aberto do Kwait?

Jean-René Mounie - Com sempre os chineses são os principais favoritos.

 

CBTM - Quais são as chances dos brasileiros? É possível sonhar com uma medalha?

Jean-René Mounie - O nivel sera muito alto e vamos tentar mostrar boas performances de novo. Sonhar com uma medalha? Não temos tempo para sonhar, agora é tempo para trabalhar.

Na foto, da esquerda para a direira, Gustavo Tsuboi, Cazuo Matsumoto, Jean-René e Thiago Monteiro no Insep.