José Ricardo Rizzone fala sobre as metas do Brasil para os Jogos de 2016

06/08/2013 13:19

Os atletas cadeirantes da Seleção Paralímpica de Tênis de Mesa estão há meses treinando em Brasília, sob o comando do Coordenador José Ricardo Rizzone, que semanalmente troca mensagens pela internet e faz reuniões por telefone com o Consultor Internacional da CBTM, Gorazd Vecko.

O objetivo é manter os jogadores concentrados, respirando Tênis de Mesa 24 horas por dia. A meta é uma medalha nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro. A única conquista que o Brasil possui foi com Luiz Algacir e Welder Knaf no Torneio de Equipes nos Jogos de Pequim, em 2008.

--- Temos boas chances de medalha em 2016, mas é preciso treinar e treinar forte para isso e fazer alguns sacrifícios --- destacou Rizzone.

O último encontro entre os integrantes da Comissão Técnica e o Consultor aconteceu depois da participação no Aberto da Eslováquia, etapa do Circuito Mundial Paralímpico Fator 40 promovida pela Federação Internacional de Tênis de Mesa na cidade de Bratislava, onde o Brasil terminou com duas medalhas de ouro com Bruna Alexandre (Classe 10) e Iranildo Espíndola (Classe 2) e uma de bronze com Israel Stroh (Classe 8).

-- Fizemos um planejamento para os treinos da Seleção e Gorazd nos passou o que espera de cada atlet, e o que cada um deve treinar para se aprimorar. Ele já conhecia alguns atletas de participação no circuito internacional, mas gostou bastante de todos --- completou José Ricardo Rizzone.

A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa conta com recursos da Lei Agnelo/Piva – Lei de Incentivo Fiscal e Governo Federal – Ministério do Esporte.