Kaíque comemora a quebra de uma escrita que já durava doze anos

29/06/2012 10:20

Uma das figuras mais carismáticas e admiradas do Tênis de Mesa Paralímpico brasileiro, Luiz Henrique Medina, o Kaíque, viveu um dia histórico na Copa Tango, que acontece em Buenos Aires, na Argentina.

Depois de doze anos, Kaíque conseguiu superar pela primeira vez o amigo Carlo Di Franco Michell, o Carluxo, que há mais de uma década sustentou a invencibilidade contra jogadores da América-Latina.

Nesse período, Carluxo já perdeu em competições com classes combinadas e em disputas de Abertos, onde atletas de todas as categorias se enfrentam. No entanto, na Classe 6, era considerado imbatível.

Kaíque passou pela fase de grupos em segundo lugar com uma derrota para Rungroj Thainiyom, de China Taipei, o terceiro do Ranking Mundial na Classe 6, e uma vitória sobre o chileno Juan Carlos Sepulveda.

O encontro com Carluxo foi na semifinal e Kaíque venceu o jogo por 3 a 1, com parciais de 118, 9-11, 117, 11-6. O resultado foi intensamente festejado e contagiou a todos que estavam no ginásio assistindo.

--- Estou muito feliz! Posso dizer que sou o único jogador da Classe 6 que conseguiu vencer o Carluxo nos últimos doze anos. Isso não é para qualquer um e. para mim, vale mais que um título --- vibrou.

Kaíque enfrentou na final novamente o Rungroj Thainiyom, de China Taipei, para quem já havia perdido na fase de grupos, e ficou a medalha de prata. Carluxo venceu o argentino Tomas Deviito e ficou com o bronze.

Apesar da derrota, Carluxo não procurou encontrar desculpas, mesmo estando em fase final de recuperação de uma lesão e ter sofrido com o atraso em seu voo para a Argentina, que o obrigou a dormir às 4 horas da madrugada para jogar às 9h.

--- Tentei usar a estratégia de sempre, pressionando, arriscando e forçando as jogadas, mas não deu certo. Kaíque cometeu poucos erros e está de parabéns pela conquista --- afirmou o diplomático Carluxo.

Na foto, da esquerda para direita, Kaíque, Dina Regina, Silvana Rodrigues e Simone Vieira.