Medalhistas da Rio 2016 criam canal na internet para auxiliar pessoas com deficiência

06/07/2017 14:04

Guilherme Costa e Aloisio Lima, bronze por equipes Classe 1-2, são os protagonistas do "Vai, curupira"

Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) - 06/07/2017

Foto: Reprodução internet e Francisco Medeiros / Ministério do Esporte

 

Medalhistas nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, os mesatenistas Guilherme Costa e Aloisio Lima estão atacando também em outras frentes. A partir de uma ideia de Guilherme, eles criaram o "Vai, curupira", um canal no YouTube que mostra como os cadeirantes superam alguns desafios e, dessa forma, tentar ajudar outras pessoas com deficiências motoras.
 
Os programas, que vão ao ar semanalmente, mostram desde alguns aspectos mais básicos, como a transferência da cadeira para cama ou a condução da cadeira em ruas com péssimo estado de conservação até mesmo a prática de esportes radicais. Além disso, há também entrevistas - o cantor Fagner e a jogadora de vôlei Paula Pequeno foram alguns nomes já sabatinados.
 
"Vamos explicar diversas coisas, mostrar como fazemos algumas outras. Vamos falar de esporte radical, explicar regras de esportes paralímpicos... A ideia é ser um canal instrutivo, mas de uma maneira leve e engraçada. O canal surgiu com a intenção de ajudar os outros, o máximo de pessoas possível", disse Guilherme.
 
"A ideia do canal é apresentarmos questões que são de interesse e de relevância na melhora da vida da pessoa com deficiência. Em um primeiro momento, o foco serão os cadeirantes. Depois, com o andar do processo, podemos analisar a possibilidade de falar de outras deficiências", completa Aloisio.


Apesar de o canal ser da dupla, quem acompanhar os programas verá apenas um rosto quando o assunto for esportes radicais. Aloisio, que perdeu o movimento das pernas após uma queda de 60 metros enquanto praticava rapel, deixou a tal missão para Guilherme e brincou que poderia arrumar problemas com a família:
 
"Esportes radicais sempre estiveram presentes em minha vida, mas, depois do meu acidente, fui deixando um pouco de lado esse projeto. Vamos abordar esses assuntos, mas vou deixar para o menino fazer. Se eu fizer esse tipo de coisa de novo, minha mulher me mata. Não tem condições (risos)"
 
Segundo eles, o "Vai, curupira" não vai atrapalhar em nada a agenda de treinos no tênis de mesa.
 
"Não temos uma rotina de gravação. Nós nos reunimos um dia e gravamos alguns episódios de uma só vez. Então, nos programamos para uma coisa não prejudicar a outra", afirma Guilherme.
 
Ao lado de Iranildo Espíndola, Guilherme Costa e Aloisio Lima conquistaram a medalha de bronze do torneio por equipes Classes 1-2 masculina nos Jogos Paralímpicos Rio 2016.
 
A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa conta com recursos da Lei Agnelo/Piva (Comitê Olímpico do Brasil e Comitê Paralímpico Brasileiro) – Lei de Incentivo Fiscal e Governo Federal – Ministério do Esporte.
 

Siga a CBTM nas redes sociais:

FACEBOOK: www.facebook.com/cbtenisdemesa
TWITTER: www.twitter.com/cbtm_tm
INSTAGRAM: @cbtenisdemesa

iDigo | Assessoria de comunicação CBTM
imprensa@cbtm.org.br