Um ano da Rio 2016: Carol Kumahara lembra 'tensão boa' e coração acelerado com torcida

07/08/2017 14:47

Brasileira revelou que ansiedade antes da estreia aumentou ao ouvir o barulho das arquibancadas

Da redação, no Rio de Janeiro (RJ) - 07/08/2017

Foto: Christian Martinez / RGB Studios / CBTM

O Pavilhão 3 do RioCentro tinha quatro mesas durante a disputa dos Jogos Olímpicos. Porém, no fim da tarde do dia 6 de agosto, primeiro de disputa do tênis de mesa, os presentes tinham as atenções voltadas apenas para uma delas, na qual Caroline Kumahara encarava Ni Xian Lian, de Luxemburgo. E essa acabou sendo uma das grandes lembranças da brasileira em relação à Rio 2016.

A energia que vinha da arquibancada contagiou Caroline Kumahara, que lembra a influência que a torcida teve no andamento da partida – vencida por Ni Xian Lian, por 4 sets a 3.

“Lembro do calor da torcida, de sentir - mesmo sem ver – que, praticamente, todos os olhos estavam ali no meu jogo, até por ser a única brasileira em ação naquele momento. Uma tensão boa que fez com que o jogo fervesse”, recorda.

A animação da torcida, inclusive, fez o coração de Carol acelerar momentos antes da estreia, contra a australiana Melissa Tapper – a brasileira venceu por 4 sets a 2.

“Eu estava tranquila, só com uma ansiedade normal de estreia, até chegar ali atrás da ‘cortina’ para entrar na área de jogo e ouvir o barulho da torcida. Naquele momento, meu coração começou a bater forte e, quando a cortina se abriu para entrarmos, fiquei arrepiada e emocionada”, disse.

Sobre participar de uma Olimpíada no Brasil, Carol Kumahara admite que sentiu pressão no período de classificação, preparação e durante a competição, mas aproveita para apontar os aspectos positivos de ter integrado a seleção brasileira na Rio 2016.  

“Acho que o peso eu senti nos anos que antecederam os Jogos e durante, mas acabou ali. Agora, em relação a peso positivo, é muito legal ter jogado uma Olimpíada em casa, quando falo que sou atleta e as pessoas perguntam se estive lá, essas coisas (risos). Teve o calor da torcida brasileira, minha família e minha namorada puderam me assistir jogando uma Olimpíada”, conclui. 

No torneio por equipes, contra a China, Carol atuou em dupla com Lin Gui e acabou perdendo para Shiwen Liu e Ding Ning por 3 sets a 0.

A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa conta com recursos da Lei Agnelo/Piva (Comitê Olímpico do Brasil e Comitê Paralímpico Brasileiro) – Lei de Incentivo Fiscal e Governo Federal – Ministério do Esporte.
 

Siga a CBTM nas redes sociais:

FACEBOOK: www.facebook.com/cbtenisdemesa
TWITTER: www.twitter.com/cbtm_tm
INSTAGRAM: @cbtenisdemesa

iDigo | Assessoria de comunicação CBTM
imprensa@cbtm.org.br